Já ouviu falar no livro “Crianças Francesas Não Fazem Manha”?
crianças francesas

Já ouviu falar no livro “Crianças Francesas Não Fazem Manha”?

Já ouviu falar no livro “Crianças Francesas Não Fazem Manha”?

Para quem não leu o livro, vou contextualizar. A Pamela é norte-americana e morava na França quando engravidou. Com a herança cultural dos EUA, saiu descontrolada para comprar mil e um livros sobre criação de filhos e se informar de todas as formas que pudesse. Nesse meio tempo, ela começou a reparar mais nas crianças da França e notou que elas eram muito educadas e as mães eram mulheres muito tranquilas (principalmente quando ela comparava com as americanas).

Então, ela conversou com o marido e disse que achava interessante aprender com as mulheres francesas sobre as técnicas de educação de filhos, mas esbarrou em um problema: “as francesas não ficam falando sobre filhos o tempo todo. Elas não falam sobre esse assunto o tempo todo. E quando você pergunta sobre como elas conseguiram fazer algo com as crianças (exemplo: fazer o bebê dormir a noite toda), elas simplesmente não sabem explicar. É tão natural que elas não têm um método”, conta Pamela.

Crianças francesas não fazem manha: Os filhos não são o centro da vida das mulheres

E esse acho que é o primeiro ponto que é tão forte na cultura francesa e, sob o risco de levar pedradas, eu considero sensacional: os filhos não são o centro da vida das mulheresAs mães francesas continuam vivendo suas vidas além da maternidade. Não se questiona, por exemplo, se uma mulher vai voltar ao trabalho depois da licença-maternidade, é algo óbvio, pois o bebê não tem o poder de mudar a este ponto a vida do casal. “É senso comum: as mães também são mulheres que têm direito ao prazer”, comenta Pamela.

Ela exemplificou falando sobre revista de maternidade abordando alimentação saudável na gravidez. Nos EUA, o foco seria “coma saudável para ajudar no desenvolvimento do bebê”. Na França, o foco seria “coma para o seu prazer, para você se sentir bem, o que você pode comer que é gostoso e não vai te deixar se sentindo mal”.

O bebê é um ser inteligente

Outro aspecto importante é que os franceses têm convicção de que o bebê é um ser inteligente, que tem capacidade de aprender e entendem mais do que podemos imaginar. Do ponto de vista prático, isso significa que é possível, sim, ensinar um bebê a ter rotina, a dormir e a ser inserido na rotina da família. “As francesas não têm uma técnica – conjunto de regras – de criação de filhos. Elas observam seus bebês e vão suprindo as suas necessidades. Nisso também sabem notar quando o bebê não precisa delas. Ele pode sim se entreter sozinho.”

Esta questão de respeitar o tempo que o bebê está sozinho também é válido para as crianças mais velhas. Se seu filho está entretido sozinho, seja com o móbile do berço ou com um jogo de quebra-cabeças, respeite-o, deixe-o, não interrompa.

A ciência do sono

Em relação ao sono, Pamela avalia que os franceses desvendaram a ciência do sono porque se um bebê, com 4 meses, ainda não dorme a noite toda, os pais ficam preocupados. “Os franceses não acreditam em deixar o bebê chorando sozinho até se acalmar, mas eles permitem que a criança faça a união dos ciclos do sono. Isso significa que, muitas vezes, o bebê chora de madrugada porque acorda (como todos nós fazemos) e ainda não sabe voltar a dormir, mas eles dão um tempo antes de sair correndo pegá-lo e a criança aprende a adormecer novamente.”

Alimentação

As crianças francesas também comem bem e isso é resultado de uma relação com a alimentação baseada em regras claras. Por exemplo: a criança tem horário para comer e não faz lanches fora de hora, elas não têm comidinhas especiais “de criança”, elas começam as refeições pelos vegetais e mesmo que não gostem de um alimento, têm ao menos que provar.

Por favor e obrigado

Uma coisa sobre a qual eu nunca tinha pensado é a respeito das palavras mágicas. Além de por favor, obrigado e desculpa, os franceses incluem na lista “oi” e “tchau”. “As crianças devem cumprimentar as pessoas para saberem que elas não são únicas no mundo”, explica Pamela. Achei isso muito bacana.

Outros pontos importantes para os pais franceses:

– Crianças aprendem a lidar com a frustração: elas aprendem a esperar, serem pacientes e a se distraírem sozinhos.

– Há respeito mútuo: crianças não interrompem os adultos, mas os adultos também não interrompem as crianças.

– Há comunicação e liberdade: os pais conversam com seus filhos, explicam o que deve ser explicado, falam “não”, mas também falam “sim” sempre que possível.

– Crianças têm autonomia: os pais ajudam os filhos, mas deixam que as crianças façam sozinhas tudo que está ao seu alcance. Dão tarefas diversas, estimulando a responsabilidade.

– O casal tem seu espaço e lugar prioritário: respeita-se o quarto do casal como um lugar apenas de adultos e também o horário para ir para cama é sagrado, pois após ele marido e mulher investem no seu relacionamento a dois. Acho que aqui foi o único ponto que discordei um pouco: eu coloco o casamento como prioridade (como já falei aqui e fui quase linchada, rs), mas não tenho, como os franceses, a “proibição” do acesso das crianças no quarto do casal.

Para terminar, as mulheres francesas são equilibradas! Elas sabem que mães perfeitas não existem e, por isso, não buscam essa perfeição. Elas têm sua vida além da maternidade, buscam sua realização pessoal e profissional, se dedicam às atividades que lhes dão prazer e não deixam que uma área de sobreponha a outra. “E elas não se sentem culpadas por isso porque elas sabem que a culpa não faz bem a ninguém”, comenta Pamela. Para conseguir este equilíbrio, elas se dedicam com afinco ao que estão fazendo: quando estão no trabalho, estão 100% lá. Quando estão com os filhos, estão 100% com os filhos. E assim vivem felizes com a maternidade e não sobrecarregadas por ela!

Fonte: Maternidade Simples

Deixe uma resposta

Fechar Menu